Hospital Dom João Becker

Hospital Dom João Becker

DETALHES DA NOTÍCIA

15/05/2018 - Dia do Assistente Social é comemorado com palestra sobre Adoção Legal

 



Diversos aspectos relacionados à adoção e à legislação que trata do assunto foram abordados na palestra “Adoção legal: perspectivas e desafios”, na manhã desta terça-feira, 15. O evento foi realizado no Hospital Dom João Becker, em celebração ao Dia do Assistente Social. A palestra foi conduzida pelas Assistentes Sociais Gabriela Moraes Santos e Taís Hahn Souza, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul- Comarca de Gravataí.

O encontro contou com a presença de profissionais dos setores de serviço social, enfermagem, administração, comunicação, rouparia e diversas outras áreas que tinham interesse sobre o tema.

O momento, além de servir para conhecer melhor o trabalho do assistente social, também foi uma ótima oportunidade para esclarecer as dúvidas que envolvem o tema, além de colocar em pauta as dificuldades e questionamentos relacionados à efetivação da adoção.

A assistente social Taís Souza, reforça que a palestra não trabalha apenas o sentido de adoção de um filho, mas principalmente a importância do afeto na sociedade de modo geral. “Muitas pessoas entendem a adoção como um ato de caridade, como um voluntariado. Quando, na verdade, não é. Adoção é para sempre. Acham que esse é um processo fácil. Quando, na verdade, é bem complicado. Envolve muitos fatores. Além disso, a maioria dos cadastrados querem bebês de até seis meses, brancos, sem doenças. E essa não é a nossa realidade”, relata Taís.

A adoção somente ocorre quando se esgotou todas as alternativas para que a criança ou adolescente volte para a sua família de origem biológica, pois o Processo de Destituição do Poder Familiar considera a veiculação socioafetiva. Além disso, as assistentes sociais instruíram a equipe de enfermagem a agir nas diferentes situações que podem envolver a adoção pós-parto.

A partir do momento que uma mulher sabe que está grávida e resolve, seja lá qual for sua motivação, que não deseja criar esta criança, ela deve buscar ajuda juntamente aos órgãos competentes. É importante ressaltar que NÃO há punição as gestantes que queiram entregar seus filhos à doação.

Alguns dados estatísticos no Rio Grande do Sul:

• 729 crianças/adolescentes aptos a adoção

• 400 masculino | 329 feminino

• 35 são menores de seis anos

• Maioria é maior de 14 anos

• 383 são brancos

• 142 são negros

• 199 são pardos

• 2 indígenas

• 2 amarelos

Não há, no momento, nenhuma criança apta a adoção na Comarca de Gravataí. Minimamente todos estão em estágio de convivência com seus futuros pais.